ROCK N’ ROLL ECOLÓGICO, CERRATENSE E PERIFÉRICO

Atualizado: 14 de dez. de 2021

Música e Ecologia se encontram em festival de rock tradicional do Gama

Por Juan Ricthelly


Brasília não é conhecida apenas como a capital do Brasil, também tem o título de Capital do Rock, em razão de ter sido o cenário de onde surgiram bandas e músicos que fizeram história e tocaram os corações e mentes de gerações do nosso país, foi o palco central da Era de Ouro do rock nacional, com o lendário Aborto Elétrico, que deu origem ao Legião Urbana e ao Capital Inicial, duas das bandas mais consagradas do rock brasileiro, além de Plebe Rude e Raimundos.


Obviamente que o Gama, um polo cultural periférico onde a cultura e o rock pulsam com força, não ficaria de fora desse cenário, desempenhando um papel importante nessa história, como o berço do Festival Rock Cerrado – Música e Ecologia, que esse ano chega na sua 14ª edição.


O Rock Cerrado acontece desde 1986, com edições anuais consecutivas até 1992. Houve um limbo até 2007, quando Os Parasitas, grupo de produtores originais do evento, resolveu reativar o festival. Daí em diante, outras edições ocorreram em 2008, 2009, 2012, 2014 e 2015, adotando os conceitos de Música e Ecologia como um aspecto importante do projeto.

Uma novidade dessa edição é a nova logomarca, que é resultado de um concurso, que contou com 23 propostas de 7 artistas de 8 unidades da federação. Dentre os quesitos analisados, estavam: sustentabilidade, consonância com as redes sociais, criatividade, inovação, relação ecológica com o cerrado e relação artístico-musical. O vencedor foi o artista goiano Alex Shinoda, que descreveu o seu trabalho da seguinte maneira:


“A logo foi inspirada nos elementos da fauna e flora do cerrado, estas sendo representadas pela folha do Baru, Cipó do Cerrado e animais típicos da região, como a Jaguatirica, o Tucano, o Lobo-guará e o Veado Campeiro.”


O processo seletivo teve início em dezembro do ano passado, com a abertura de inscrições com prazo até fevereiro desse ano. 140 formulários de inscrição foram enviados, alguns sendo sumariamente excluídos por não cumprirem com o requisito geográfico de serem bandas e artistas do Distrito Federal e Entorno.


O regulamento vetou expressamente a inscrição de bandas e artistas solo que manifestassem qualquer tipo de apoio a conteúdos agressivos, que discriminassem qualquer tipo de diversidade social e cultural, incitassem apologia à práticas violentas, ilícitas, difamatórias ou pornográficas.


Uma seleção foi feita, 32 bandas foram pré-selecionadas para disputar as quatro seletivas, que aconteceram em Brasília (Plano Piloto), Ceilândia, Gama e Valparaíso (GO), com oito bandas disputando três vagas em cada uma. Ao final, as 12 bandas e artistas selecionados foram:


A Drink to Death (@adrinktodeath)

Aurora Vênus (@auroravenusoficial)

Azzarok (@azzarokofficial)

Desonra (@desonraoficial)

Eduardo de Paula (@eduardodepaula1.2)

Ferdí (@ferdi.insta)

Fleshpyre (@fleshpyre)

Káustika (@bandakaustika)

Mariana Camelo (@marianacamelo)

Mofo (@mofothrash)

Murilo Oliveira (@murilooliveira96)


Com participação especial das bandas: RAII (@ra2banda), Kábula (@kabulahardrock), Marcelo Marcelino (@marcelinoo1111) e ARD (@bandaardofficial).


Tradicionalmente o encerramento costumava ocorrer na Praça do Cine Itapuã, mas esse ano, em razão da pandemia, ocorrerá nos dias 18 e 19 de Dezembro, a partir das 16h no CEM 02 do Gama, com público limitado à 150 pessoas, respeitando as medidas de segurança sanitárias, com uso de máscara, álcool em gel e exigência do cartão de vacina. Para quem não puder estar presencialmente no local, haverá transmissão ao vivo no Youtube, é importante não esquecer de levar 1 kg de alimento não perecível, que serão arrecadados para doações.


É um projeto realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FAC) e protagonismo da Cia Lábios da Lua, que tem desempenhado um papel muito significativo ao trazer diversas atividades culturais para a nossa comunidade, aproximando a cultura do povo.


O Festival Rock Cerrado - Música e Ecologia é seguramente um motivo de orgulho para a nossa cidade, por manter viva a tradição do bom e velho rock n’ roll, enquanto possibilita que o bom e novo rock n’ roll tenha espaço e possa florescer por meio de artistas e bandas novas e antigas.

A combinação da cultura com a luta e a conscientização ambiental, colocando em evidência o bioma Cerrado, que ocupa 25% do nosso território nacional, com 50% da sua vegetação original sacrificada em nome de um modelo de produção que privilegia o latifúndio, a monocultura e o mercado internacional de commodities, enquanto 20 milhões de pessoas passam fome e ainda ameaça bacias hidrográficas de importância continental, seguramente é um diferencial com um potencial imenso que torna o Rock Cerrado – Música e Ecologia um evento único.


Outro aspecto que é digno menção, é o caráter periférico desse festival que nasceu no Gama, uma cidade há 35 km do centro do Plano Piloto, promovendo 3 de suas 4 seletivas em locais igualmente longe do centro onde tudo costuma acontecer (Ceilândia, Gama e Valparaíso), cruzando ainda a fronteira imaginária entre o DF e Goiás, num movimento cultural centrífugo e popular.


Houve ainda ações de educação ambiental junto à escolas públicas da região, com palestras, plantio de mudas nativas do Cerrado e até um concurso de poesia com a temática ecológica entre os estudantes, com direito à premiação em dinheiro e apresentação no dia do encerramento.


Outra informação relevante foi a preocupação com a Pegada Ecológica do evento, que buscou produzir seus panfletos e banners de divulgação em material reciclado.


O Rock in Rio e seus amantes que me perdoem, mas sou mais Rock Cerrado – Música e Ecologia, por ser um evento que realmente privilegia o rock como gênero musical, com artistas e bandas de rock mesmo, pelo diálogo com a questão ambiental, por possibilitar o surgimento de novos artistas, e principalmente pelo caráter periférico e popular.


Para maiores informações sobre o evento, suas história e as bandas dessa edição sugerimos o site: https://www.rockcerrado.com.br/ e o Instagram: https://www.instagram.com/rockcerradoficial/


Viva o Gama! Viva o Rock n’ Roll! Viva o Cerrado e a Mãe Terra!










24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo